Desperte os sentidos do seu consumidor através da música


A experiência que um cliente vive no ponto de vendas é o fator mais importante para torná-lo um consumidor fiel. O comportamento de compra é como um grupo de pessoas, ou um indivíduo, escolhem aquilo que desejam adquirir ou que loja pretendem frequentar.

O comportamento é moldado por nossas experiências e nos acompanha pela vida.

Fatores ambientais, econômicos, tecnológicos, políticos e culturais são alguns dos motivos que provocam mudança no comportamento de compra, mas há coisas que toda marca bem-sucedida pode fazer no PDV para influenciar positivamente a decisão de compra.

Hoje vamos abordar a música, um fator ambiental para fazer com que as compras sejam mais prazerosas para o seu cliente.

Como a música influencia no ponto de vendas?

As músicas de fundo, que ouvimos em shoppings e supermercados, não estão ali apenas porque o empreendedor ou os funcionários gostam delas. Embora ainda existam ambientes que toquem canções sem segundas intenções (como lojas de bairro e pequenos mercados que não têm forte concorrência em suas regiões), a maioria das empresas opta pela música como estratégia.

Na hora de escolher o que é tocado é preciso pensar bem. A música nos locais de compra tem tanto benefício quanto prejuízo. Sons podem fazer com que seu consumidor se apaixone pela loja e compre mais, pois, se sentem bem naquele ambiente. Mas também conseguem provocar uma reação visceral nas pessoas que detestam um determinado ritmo ou se sentem expostas demais a uma banda.

Mesmo considerando quem não gosta de ouvir músicas no ponto de venda, ainda assim teremos uma porção de resultados positivos para as empresas que escolhem tocá-las. Conheça alguns estudos publicados pela Business Insider para explicar como e por que as músicas geram vendas no varejo.

A música deve contemplar o público-alvo

Areni & Kim, dois pesquisadores de comportamento, descobriram em 1993 algo que deveria nos parecer óbvio: são mais bem-sucedidas as empresas que escolhem a música certa para promover seus produtos junto aos clientes.

É por isso que, ao longo de seu levantamento, notaram que usar música clássica para vender mais em lojas de vinho é melhor do que tocar os hits mais pops na Billboard. O uso de sons como os feitos por Beethoven e Chopin também têm outro grande benefício: eles aumentam o ticket médio. Clientes que compram com essas trilhas ao fundo se sentiam mais inclinados a adquirir garrafas de vinho de maior valor.

Restaurantes com música clássica também vendem mais que aqueles que não possuem nenhuma trilha sonora. O único “porém” detectado nas pesquisas foi que esse tipo de música pode afastar clientes que a associam com um público de renda elevada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *